5º PRÊMIO BOAS PRÁTICAS


1º LUGAR - ERECHIM

Programa 60+

O projeto: Programa 60+ nasceu como uma proposta fundamental no plano de governo da gestão atual, no ano de 2021, demos início às tratativas para encontrar um local ideal para a implantação do programa. Nossa equipe se empenhou em buscar uma infraestrutura que oferecesse conforto, acessibilidade e segurança aos participantes do 60+. Após cuidadosa análise, identificamos o Ginásio Bela Vista, que hoje denominado de Centro de Convivência do Idoso, Programa 60+, que preenchia esses requisitos e apresentou o potencial necessário para a realização das atividades propostas. Com o espaço escolhido, seguimos para a etapa de reformas e necessária para tornar o ambiente ainda mais adequado às necessidades do público da terceira idade. Preocupamo-nos em criar instalações modernas, acessíveis e acolhedoras, priorizando a funcionalidade e o bem-estar de todos os frequentadores. Para assegurar um atendimento de qualidade e personalizado, constituímos uma equipe de profissionais capacitados e dedicados ao bem-estar dos participantes. Nossos colaboradores foram selecionados com base em suas competências e familiaridades com a missão do programa, visando proporcionar um ambiente afetuoso e confiável. Após um árduo trabalho de planejamento e preparação, o Programa 60+ finalmente, iniciou suas atividades no início do ano de 2022. Com grande entusiasmo e expectativa, nossos primeiros participantes e testemunhamos o crescimento gradual da adesão à iniciativa. 

Justificativa: A implementação do programa 60+ destinado aos idosos de Erechim, é justificada por uma série de razões importantes. Os idosos constituem uma parcela significativa da população e têm necessidades específicas que devem ser atendidas para garantir uma melhor qualidade de vida e inclusão social. O Brasil, assim como muitos outros países, está passando por um processo de envelhecimento populacional, onde a proporção de idosos na sociedade está aumentando. Com isso, há uma necessidade crescente de políticas e programas que atendem às demandas e desafios dessa faixa etária. O programa 60+ busca promover o bem-estar físico, mental e emocional dos idosos. Por meio de atividades físicas, culturais, recreativas e sociais, é possível proporcionar momentos de lazer, interação e aprendizado, confiantes para uma vida mais ativa e saudável, outra constatação importante foi o pós-pandemia, em que muitos idosos enfrentaram o problema do isolamento social, e que os levou a problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade. Assim, a instituição de um programa como este, pode servir como um espaço de convivência e integração, permitindo que os idosos se encontrem, compartilhem experiências e estabeleçam novas amizades, além de oferecer atividades que incentivam a participação dos mesmos na vida comunitária, reforçando sua importância como cidadãos ativos e participativos na sociedade. Além disso, é uma oportunidade de combater estereótipos e preconceitos relacionados à idade.

Ainda, através de ações de promoção da saúde, como palestras educativas, prática de exercícios físicos e acompanhamento médico, o programa contribui para a prevenção de doenças comuns na terceira idade e melhorar a qualidade de vida dos idosos. Ao investir em programas que visam o bem-estar dos idosos, é possível reduzir os gastos públicos futuros com tratamentos médicos e internações decorrentes de problemas de saúde relacionados ao envelhecimento. 

Objetivos: Promoção da saúde e bem-estar: Oferecer serviços e atividades que visam melhorar a saúde física e mental dos idosos, como programas de exercícios físicos adaptados, atividades recreativas, e palestras sobre cuidados com a saúde. Socialização e inclusão social: Estimular a interação social entre os idosos, proporcionando espaços para encontros, eventos e grupos de convivência, de modo a combater o isolamento e a solidão.

Educação e capacitação: Oferecer oportunidades de aprendizado e atualização de conhecimentos, seja por meio de cursos, oficinas ou atividades culturais, para que os idosos possam continuar participando ativamente da sociedade. Acesso à cultura e lazer: Proporcionar acesso a atividades culturais, como teatro, cinema, shows e exposições, bem como viagens e passeios, para que os idosos tenham momentos de lazer e entretenimento. Atenção aos direitos e necessidades específicas: Garantir que os direitos dos idosos sejam respeitados, buscando soluções para desafios comuns, como acessibilidade, transporte adequado, e atendimento médico especializado. Integração com outras políticas públicas: Articular o programa "60+" com outras ações e políticas públicas voltadas para a população idosa, como a disponibilidade de moradia adequada, transporte adaptado e atendimento de saúde específico. 

Público-alvo: Pessoal de 60 anos ou mais. 



2º LUGAR - SANTA CECÍLIA DO SUL

Alfabetização para idosos: retomando aprendizados

O projeto: O projeto foi criado a partir da identificação de que o analfabetismo/baixa escolaridade em idosos faz parte da realidade do município de Santa Cecília do Sulinicialmente observado nos dados das famílias inscritas no Cadastro Único e no processo de Regularização Fundiária Urbana – REURB do Bairro Santa Clara e assim ratificado pelo levantamento de dados realizado junto ao Grupo da Terceira Idade e pela pesquisa a domicílio realizada pelas agentes de saúde no período de janeiro e fevereiro do ano de 2022. 

Justificativa: O atual projeto justifica-se pelo fato de analisar a baixa escolaridade existente em idosos da realidade do município de Santa Cecília do Sul e a importância da escolarização na vida destas pessoas idosas e/ou continuidade das séries iniciais, contribuindo para um melhor desenvolvimento cognitivo, valorização, autonomia, autoestima e inserção social, além de valorizar a diversidade de cultura existente no município. Cabe pontuar que algumas capacidades para melhor desempenhar tarefas, como ler e escrever, operacionalizar e dominar a tecnologia não se desenvolvem naturalmente e, assim, estratégias operacionais e cognitivas desenvolvidas no banco escolar contribuem e facilitam o desempenho das diversas tarefas ao longo da vida, garantindo assim participação ativa na sociedade. Por fim, o cuidado é uma questão relevante dos direitos humanos assegurado pelo estatuto do Idoso e pela Constituição Federal, devendo ser também uma das principais condutas do estado e da sociedade civil.

Objetivos: Oportunizar alfabetização/educação as pessoas que não tiveram oportunidades de estudo ou dificuldades de continuar as séries iniciais; Possibilitar autonomia de escolha, tomada de decisões sobre a aplicação de seus ganhos; Contribuir na melhoria da autoestima e valorização do idoso como protagonista do seu processo de envelhecimento; Promover inclusão social e educacional de parcela tão significativa da população e, ao mesmo tempo, estigmatizada por uma história de múltiplas exclusões.

Público-alvo: Pessoas com 60 anos ou mais que tenham interesse em estudar, seja alfabetização ou retomar as séries iniciais.


“O Projeto Retomando Aprendizados, foi desenvolvido a partir das necessidades das pessoas acima de 60 anos. Através de entrevistas, foi identificado o desejo de voltar a estudar, aprender, retomar o que tiveram que deixar de fazer quando crianças. Os motivos disso são diversos: “ajudar os pais na roça”, “cuidar dos irmãos mais novos”, “não tínhamos condições de comprar nem um chinelo se quer”, “era muito distante de casa”, enfim diversos relatos e em cada relato uma estória com mistura de tristeza e desejo. Não buscavam um Programa de Educação de Jovens e Adultos tradicional, tinha que ser algo especial, criado para esse público, muitas vezes invisível aos olhos do Estado em todos os seus níveis. Assim nasceu o Projeto Retomando Aprendizados. Criado com metodologia específica, focado nas necessidades e desejos, de escrever, ler, compreender, fazer contas simples, de independência, aprendendo a sacar o dinheiro da aposentadoria nos terminais eletrônicos, algo que nunca se sentiram capazes ou confiantes em fazer. De se tornar pessoas orgulhosas ao voltarem a sentar num banco escolar, de reunir a família e poder mostrar seus avanços e conquistas, de poder manusear um celular e enviar mensagens de áudio e vídeo, de participar de outros projetos desenvolvidos pelo município, enfim, de ver pessoas melhores e mais felizes. De todas as iniciativas desenvolvidas pela administração municipal, sem sombra de dúvidas, o “Retomando Aprendizados” é o que trouxe maior sentido em estar a frente da Administração de Santa Cecília do Sul.”

João Cirineu Pelissaro, prefeito de Santa Cecília do Sul


3º LUGAR - SÃO DOMINGOS DO SUL

Projeto Saco de Açúcar 

O projeto: O Projeto Saco de Açúcar foi pensado pela Secretaria de Educação e Cultura para atender ao momento de isolamento social causado pela Pandemia. Este momento foi de muita dificuldade para as pessoas, principalmente idosos, que vinham tendo atividades coletivas constantes e foram forçados a ficar em suas residências longe de familiares. Em vista disso, a Secretaria de Educação e Cultura pensou em realizar um trabalho que englobasse vários fatores e atingisse principalmente o objetivo de ajudar a população a enfrentar o período de Pandemia.

O Projeto é desenvolvido da seguinte forma: Os profissionais da Secretaria de Educação e Cultura fazem uma triagem sobre o inscrito no projeto e mediante as resposta elabora atividades educativas e culturais que junto aos materiais escolares são enviado em uma sacola, para cada inscrito que tem um mês para desenvolver as atividades. Com o passar da Pandemia iniciamos um encontro mensal com o grupo onde realiza-se a troca de materiais e atividades como artesanato, exibição de filmes, passeios culturais, piqueniques entre outros. Além do material físico, foi criado um grupo de WhatsApp para integrar os participantes e estimular o uso de novas ferramentas de aprendizado, como as redes sociais. Este momento torna-se importante, pois auxilia aos participantes que permanecem sozinho durante o dia a ter um contato de fácil acesso caso necessite. O nome Saco de Açúcar faz alusão ao passado, onde os materiais que era utilizado por estas pessoas para ir à escola era transportado dentro de embalagens de açúcar que por ser resistente tinha uma nova utilidade após o termino do produto.

Justificativa: O Presente Projeto veio para dar oportunidade às pessoas com mais idade e que estavam isoladas no período da Pandemia a terem atividades que auxiliavam no seu dia-a-dia favorecendo no estímulo a uma vida saudável através do aprendizado, do bem-estar da mente e do corpo proporcionado pelas atividades, e reforçando o convívio social com outras pessoas que estavam na mesma condição. 

Objetivos: 1) Realizar atividades educativas com o foco em leitura, escrita e alfabetização; 2) Proporcionar o resgate cultural através das pesquisas realizadas pelos participantes; 3) Desenvolver atividades que fortalecem o vínculo entre pessoas da mesma faixa etária; 4) Ocupar a mente criando hábitos saudáveis de realização de atividades educacionais de artes e cultura; 5) Realizar sonhos de infância, barrados pelas dificuldades e a falta de condições; 6) Apresentar as novas tecnologias; 7) Resgatar o vínculo e as amizades.

Público-alvo: Adultos principalmente acima de 60 anos.


“O Projeto Saco de Açúcar é um projeto que valoriza a população que tanto trabalhou para a construção de nosso município. Estas pessoas abriram mão de muitos sonhos para se dedicar à família e a comunidade. Criar programas como este é uma das missões da Administração Pública, pois valoriza e proporciona momentos à pessoas que com seu trabalho proporcionaram o progresso, e hoje com menos condições físicas e mentais acabam sendo vistas como problema para sociedade. Este projeto vem ao encontro da importância de incentivar sempre a viver em comunidade, só assim podemos crescer em todos os aspectos.”

Fernando Perin, prefeito de São Domingos do Sul



4º PRÊMIO BOAS PRÁTICAS


1º LUGAR - DOUTOR RICARDO

Projeto Social Intergeracional “Cartas, gerações e afetos”

O projeto: A troca de cartas entre as gerações foi um projeto elaborado a partir da percepção que com os e-mails, redes sociais e aplicativos de conversa, as cartas ficaram apenas nas recordações de muitas pessoas. Além disso, e mais protuberante, estamos vivendo num momento que a palavra tem feito as pessoas se afastarem e, através das redes sociais, ocorre uma comunicação tóxica e errada, sem empatia e com muitos julgamentos. Assim, através desta atividade, seria viabilizado um espaço de troca através de cartas e promover a socialização e respeito entre as faixas etárias.

Objetivo: Fortalecer os vínculos afetivos entre gerações. Proporcionar um espaço de troca e encontro entre as gerações. Fortalecer os vínculos familiares e comunitários. Promover o respeito entre gerações. Promover a valorização da infância, juventude e terceira idade. Estimular o reconhecimento das fragilidades e potencialidades de cada geração. Incentivar a troca de afeto através da escrita. Aproximar as gerações e criar laços, a fim de criar uma sociedade com mais respeito. Fortalecer estímulo à solidariedade e cidadania na sociedade.

Público-alvo: Crianças e adolescentes da faixa-etária de 9 a 12 anos que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e/ou do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e idosos em situação de isolamento social ou outra situação de fragilidade social e/ou que não acessavam o CRAS anteriormente ou que não estavam mais participando dos serviços.

Metodologia: O projeto foi executado com crianças, adolescentes e idosos dos Serviços do SCFV e PAIF do município e também idosos em situação de vulnerabilidade e/ou risco social. Os temas das cartas deviam conter, no mínimo: apresentação do autor e de sua família, um relato sobre momentos inesquecíveis e planos para o futuro. Primeiramente, as crianças escreveram a carta para o idoso, de forma anônima e sem saber para quem seria. Após, o idoso recebeu a cartas, e escreveu outra em resposta para a criança. Finalizado essa fase foi realizado um encontro entre as gerações para revelação das duplas.

“Nosso trabalho é voltado para o bem-estar de todas as pessoas do nosso município, desde a gestação até à pessoa idosa, acompanhando todas as faixas etárias e atendendo a todos de acordo com suas realidades. Vejo o Projeto Social Intergeracional "Cartas, gerações e afetos" como importante para integrar as pessoas idosas, que não participam dos projetos do CRAS, com as crianças para trocar experiências e sonhos de vida. Um encontro cheio de emoção e significado.”

Alvaro José Giacobbo, prefeito de Doutor Ricardo



2º LUGAR - BAGÉ

Centro do Idoso - Dr. Álvaro José de Godoy

O projeto: O Centro do Idoso Dr. Álvaro José de Godoy foi inaugurado em 16 de janeiro de 2008 com o objetivo de ser um espaço de convivência, atividades físicas, culturais, ocupacionais, atendimento psicológico e jurídico. O foco na atividade física e mental aliado a prevenção na saúde e no bem-estar da população idosa foi o objetivo principal da implementação do Projeto e a execução do mesmo mostrou como foi acertada a decisão devido à grande demanda desde os primeiros dias, hoje atende 500 idosos.

Objetivo: Atender a população idosa com prioridade, qualidade e atenção integral nas atividades físicas, mentais, ocupacionais e de saúde, contribuindo para a promoção do direito ao envelhecimento ativo e saudável, respeitando as peculiaridades de cada atividade e as particularidades de cada participante, buscando o bem-estar e o desenvolvimento de vínculos e inclusão da pessoa idosa, que é libertador e emancipatório, resultando na autonomia e na ampliação dos limites da convivência familiar e social.

 

3º LUGAR - SOLEDADE

Visita no Portão

O projeto: Desenvolvido pelo PROMUATI (Programa Municipal de Atendimento ao Idoso) e vinculado à Assistência Social da Prefeitura de Soledade, o projeto foi idealizado após visita feita a uma senhora, integrante de um grupo, quando do falecimento de um filho. Ao chegar no endereço, o encontro aconteceu fora da casa, no portão, pois em tempo de pandemia era necessário manter distanciamento. Motivados pelo efeito de conforto, atenção e troca de carinho no momento, surgiu a intenção de estender a atividade aos demais.

A partir de então, a equipe planejou e operacionalizou essa iniciativa fazendo visitas nas residências na cidade e comunidades do interior, onde tem grupos do PROMUATI. Quanto mais visitas ocorre, mais o grupo se sente recompensado pelo retorno e reconhecimento dos visitados.

Objetivo: Resgatar e fortalecer vínculos com os integrantes do PROMUATI. Constatar as condições de saúde e bem-estar dos idosos. Reforçar da importância da realização das vacinas contra a covid-19 e da gripe H1N1. Reforçar da necessidade da manutenção dos cuidados de saúde com relação a covid-19 (uso de máscara, álcool em gel, distanciamento). Proporcionar momentos de entretenimento, alegria e descontração através da musicalidade, mensagens e conversação. Buscar o retorno dos evadidos bem como convidar novos integrantes para participarem dos grupos.

Compartilhe!