A Famurs liderou a ida de 548 gestores gaúchos entre prefeitos, prefeitas, vice-prefeitos, vice-prefeitas, secretários, vereadores e assessores. Os representantes do Rio Grande do Sul participaram ativamente da programação

A Famurs foi a federação estadual com a maior representatividade política na Marcha dos prefeitos realizada nesta semana em Brasília. Conforme o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, a Famurs liderou a ida de 548 gestores gaúchos entre prefeitos, prefeitas, vice-prefeitos, vice-prefeitas, secretários, vereadores e assessores. Os representantes do Rio Grande do Sul participaram ativamente dos painéis técnicos, palestras e oficinas promovidas durante a Marcha em Brasília.

O resultado foi comemorado pelo presidente da Famurs e prefeito de São Borja, Eduardo Bonotto. "Ser a Federação com a maior representação na Marcha dos prefeitos em Brasília mostra o tamanho da força e da união dos prefeitos gaúchos. Quero aproveitar para parabenizar o trabalho que o Presidente Paulo Ziulkoski   vem realizando com a Confederação Nacional dos Municípios na pauta municipalista. Os temas que estamos tratando aqui afetam a vida das nossas administrações e consequentemente a vida dos moradores dos nossos municípios. Em nome dos 497 municípios e prefeituras quero agradecer a grande presença de quase 600 gestores entre prefeitos, prefeitas, vices, assessores e secretários. É um compromisso nosso estar juntos com a nossa posição buscando melhorar a vida dos moradores com uma boa articulação na Câmara dos Deputados e Senado Federal nos projetos de lei que possam contribuir com o andamento das administrações em nossas prefeituras", ressaltou o presidente da Famurs, Eduardo Bonotto.

Para o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, a Famurs mostrou a sua força e seu ótimo poder de mobilização com os prefeitos gaúchos. "Quero agradecer aqui a presença do Presidente Bonotto, da Famurs, dos prefeitos, das prefeitas que estão aqui conosco, vereadores, toda a comunidade municipalista, deixar esse registro é importante. Com muito orgulho, sou gaúcho. E o movimento municipalista brasileiro nasceu exatamente com toda sua grandiosidade dentro da Famurs, lá em 1997. A história dos prefeitos gaúchos e prefeitas e da Famurs fica sempre registrada nos anais do movimento municipalista brasileiro. Essa oportunidade liderada pelo presidente Bonotto mostra o tamanho da capacidade de articulação que a Famurs possui. E estamos juntos, CNM e Famurs unidas pelo desenvolvimento dos nossos municípios brasileiros. Vamos continuar a nossa luta, viva a FAMURS, viva os prefeitos gaúchos e prefeitas, viva a governança. A Famurs tem um papel decisivo na pauta municipalista. É o Estado com o maior número de prefeitos aqui em Brasília levando em conta o percentual de número de municípios. Precisamos reconstruir o nosso país. Estamos debatendo a reforma tributária que impacta diretamente a vida dos brasileiros. A nossa Marcha satisfaz plenamente os prefeitos. Com o reconhecimento público das principais autoridades do país como presidente da república, presidente do senado e da câmara dos deputados, assinamos os compromissos que vão impactar positividade o desenvolvimento de nossas cidades", ressaltou o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski

O Coordenador-Geral da Famurs, Salmo Dias de Oliveira, reconheceu o grande número de gestores e lideranças do Rio Grande do Sul presentes na Marcha, "a participação dos gestores municipais, prefeitos, vereadores e secretários aqui na Marcha em Brasília se dá em função dos resultados que nós estamos trazendo através da Famurs e da CNM para as nossas comunidades. O presidente Bonotto e o presidente Paulo Ziulkoski, acompanhado de todas as nossas equipes, têm trabalhado firmemente para defender as comunidades onde as pessoas vivem, que é o município. Portanto, quando nós falamos de saúde de qualidade, educação para os nossos filhos, geração de oportunidades, de emprego e renda, de lazer, de infraestrutura, da construção de estradas, de limunicação pública, de limpeza para as cidades, todas as atividades inerentes à vida das pessoas acontecem no município. Por isso a Famurs liderou, em nivel nacional, o maior número de gestores na Marcha. Considerando que a Famurs tem voz ativa, não apenas nas Leis relacionadas aos municípios, mas também nos assuntos de interesse da sociedade como um todo. Saio daqui, junto com todos os nossos companheiros, muito satisfeito vendo a autonomia e a qualidade de vide que estamos levando para as nossas cidades. Quando a gente defende o município, definitivamente, a gente defende você, defende as pessoas! Parabéns a todos os envolvidos. Nós temos convicção de que estamos no rumo certo", ressaltou o Coordenador-Geral da Famurs, Salmo Dias de Oliveira.

O presidente da Câmara Temática de Inovação da Famurs e prefeito de Restinga Sêca, Paulinho Salerno, manifestou a importância da retomada da tradicional Marcha para o movimento municipalista, "esta Marcha representa o ápice do movimento municipalista brasileiro. Sem dúvida alguma é uma retomada muito importante do protagonismo e do empenho da nossa voz nas questões que envolvem o municipalismo e na defesa da revisão do Pacto Federativo. Precisamos seguir fortes e unidos para fazer com que os recursos cheguem lá na ponta, nos municípios, que é onde a vida acontece. O balanço da Marcha é muito positivo e sem dúvidas traz bons reflexos para os municípios, como a presença dos presidenciáveis para um debate com os prefeitos de todo o Brasil e a promulgação da emenda constitucional que isenta aplicação mínima em educação em 2020/2021, que garantiu que os municípios que não aplicaram os percentuais mínimos em educação no período de pandemia não sofram sanções", ressaltou Salerno.

Momentos marcantes da Marcha dos prefeitos em Brasília

O  presidente da República, Jair Bolsonaro, realizou a abertura do evento com um discurso moderado e focado no municipalismo. Cerca de oito mil participantes acompanharam a abertura da XXIII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.  “Passa por nossas mãos não o futuro dos Municípios apenas, mas o desta grande nação, Brasil. Se para a prefeitura não é fácil, imagine para a presidência da República. Nós pedimos sabedoria, força para resistir e coragem para decidir”. 

A segunda parcela da cessão onerosa, a ser recebida pelos gestores municipais, foi levantada pelo líder nacional. “A segunda parcela da cessão onerosa vai resultar em R$ 7 bilhões para Estados e Municípios. Tenho certeza de que faremos um bom uso disso tudo, porque me considero prefeito também”. A medida está prevista no Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 3/2022, que está em tramitação na Câmara dos Deputados. Bolsonaro citou, ainda, um trecho da fala do presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, que, durante discurso, ressaltou o tratamento que os gestores municipais tiveram em uma das primeiras marchas, quando foram recebidos por cachorros. “Como disse o presidente Paulo [Ziulkoski], no passado, realmente, estou aqui desde 1991 e sei como os senhores eram tratados e como são tratados hoje em dia. Hoje em dia o tratamento é aquele que tem que ser dado e os senhores retribuem isso conosco. À nós o futuro não é apenas do Município, mas do Brasil. Juntos trabalhamos para o futuro do nosso país. Em poucas coisas divergimos, mas como um todo o Brasil vai indo bem”, complementou.

Sobre a pauta municipalista, um dos pontos levantados pelo presidente Jair Bolsonaro foi a revisão da lei que trata da improbidade administrativa, sancionada em 2021. “Trabalhamos junto com a Câmara e o Senado. A grande preocupação é quando deixarmos a prefeitura, que vamos deixar um dia. Essa questão não pode nos perseguir por dez, 20 anos. Nossa preocupação é dar tranquilidade para que os senhores possam trabalhar”, lembrou, ressaltando a importância do trabalho em conjunto entre todos os Entes. “Trabalhamos em conjunto e queremos um bem para o nosso Brasil. Não existe satisfação melhor do que servir àqueles que votam na gente”, finalizou.

Além dos painéis técnicos, a Marcha contou com a participação de pré-candidatos à presidência da república como João Dória (PSDB), Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT).

Com informações da CNM

Informações da notícia

Fonte: De Brasília: Voltaire Santos/Famurs

Data de publicação: 28/04/2022

Créditos: De Brasília: Voltaire Santos/Famurs

Créditos das Fotos: De Brasília: Voltaire Santos/Famurs

Compartilhe!