Com objetivo de fomentar as políticas públicas no RS destinadas às pessoas com deficiência, a Famurs em parceria com o Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Coepede) promove uma live na próxima segunda-feira (7/6) para abordar o tema

Com objetivo de fomentar as políticas públicas no RS destinadas às pessoas com deficiência, a Famurs em parceria com o Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Coepede) promove uma live na próxima segunda-feira (7/6) para abordar o tema.

A live “Famurs e Copede no incentivo à formação de Conselhos Municipais de Direitos das Pessoas com Deficiência” será realizada às 20h, com transmissão pelo Facebook e canal no YouTube da Famurs. São convidados para o encontro a presidente do Coepede, Jussara Muller de Assis, a conselheira Cimone Halberstadt e o presidente da Federação, Maneco Hassen.

Durante a live, além de abordar a importância e a necessidade de aumentar o número de Conselhos Municipais no estado, serão apresentados dados relacionados aos espaços já existentes, obtidos através de pesquisa com as Secretarias Municipais de Assistência Social.

 

O que são os Conselhos Municipais dos Direitos da Pessoa com Deficiência?

O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência realiza ações como o acompanhamento, monitoramento, avaliação e a fiscalização das políticas destinadas à pessoa com deficiência, por meio da articulação e diálogo com as demais instâncias de controle social e os gestores da administração pública direta e indireta.

Os Conselhos Municipais de Direitos das Pessoas com Deficiência devem ser criados e implementados através de projetos de lei municipais, por proposta do poder executivo ou da sociedade civil organizada, aprovados pelo poder legislativo.

De acordo com o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Defici­ência (Conade), são competências dos Conselhos Municipais:
  • propor e deliberar sobre ações para os planos e programas dos municípios referentes à promoção e à defesa dos direitos das pessoas com deficiência;
  • zelar pela efetiva implementação da política para inclusão da pes­soa com deficiência;
  • acompanhar o planejamento e avaliar a execução das políticas pú­blicas relativas à pessoa com deficiência;
  • acompanhar a elaboração e a execução da proposta orçamentária pertinente à consecução da política para inclusão da pessoa com deficiência;
  • propor a elaboração de estudos e pesquisas que objetivem a me­lhoria da qualidade de vida da pessoa com deficiência;
  • propor e incentivar aos órgãos competentes a realização de cam­panhas visando à prevenção de deficiências e à promoção e defesa dos direi­tos da pessoa com deficiência;
  • deliberar sobre o plano de ação estadual/municipal anual.
  • acompanhar, mediante relatórios de gestão, o desempenho dos programas e projetos da política municipal para inclusão da pessoa com deficiência;
  • colaborar com o monitoramento e a implementação da Conven­ção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e do seu Protocolo Faculta­tivo em seu âmbito de atuação;
  • Eleger seu corpo diretivo;
  • Elaborar e aprovar o seu Regimento Interno; e
  • Convocar a Conferência dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Informações da notícia

Fonte: Gesuas

Data de publicação: 04/06/2021

Créditos: Ellen Renner

Compartilhe!