Campanha do CRF/RS objetiva alertar sobre a queda da cobertura vacinal no país e no Estado, destacar dados que mostrem a eficácia das vacinas, salientar o papel do farmacêutico no ciclo da vacina

Dados da Organização Mundial de Saúde demonstram que a taxa de mortalidade das doenças preveníveis caiu entre 90% e 100% no século 20, em consequência do uso de vacinas. Além de salvar vidas, as vacinas também representam uma economia de recursos aos governos: com base em dados de 94 países e ao projetar as taxas de vacinação entre 2011 e 2020, pesquisadores da Universidade Johns Hopkins (EUA) concluíram que para cada US$ 1 investido em vacinas, os países economizam US$ 16. 

O Brasil possui o Programa Nacional de Imunização (PNI) que é referência mundial, sendo pioneiro na incorporação de várias vacinas para uso na população, todas incluídas no Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, as coberturas vacinais estão em queda desde 2015 e não atingem nenhuma meta no calendário infantil desde 2018.

O país chegou inclusive a perder o certificado de erradicação do Sarampo em 2019, concedido pela Organização Pan-Americana de Saúde em 2016, em função dos mais de 18 mil casos registrados da doença.

No Rio Grande do Sul, entre janeiro de 2019 e junho de 2020 foram confirmados 138 casos de Sarampo, de acordo com o Centro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) - no processo de investigação dos casos identificou-se que cerca de 80% ocorreram em indivíduos não vacinados ou com esquema incompleto. A cobertura vacinal também foi incompleta no Estado em 2020 em relação à Poliomielite, alcançando 82,9% dos 95% preconizados. Em 28/04/21, foi declarada situação de emergência em saúde pública no RS devido à circulação do vírus da febre amarela, confirmada em 23 municípios - outros 72, que ficam no entorno, são considerados de risco. 

Vacina é medicamento 

“O farmacêutico é o único profissional de saúde que possui a responsabilidade e a competência técnica para atuar em todo o ciclo de vida dos medicamentos, que inclui a vacina: obtenção dos seus insumos ativos, pesquisa e desenvolvimento, fabricação, distribuição, armazenamento, transporte, vacinação e vigilância em saúde”, afirma a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul, Silvana Furquim.Por serem medicamentos, as vacinas são estratégicas para o cuidado em saúde da população, e o tema ganhou relevância desde o surgimento da pandemia. Por isso, o CRF/RS promove neste ano, na campanha da Semana do Uso Racional de Medicamentos (05 a 11 de maio no RS, a partir de publicação da Lei Estadual 14.627/14), a iniciativa “Vacina é prevenção”. 

A campanha objetiva alertar sobre a queda da cobertura vacinal no país e no Estado, destacar dados que mostrem a eficácia das vacinas, salientar o papel do farmacêutico no ciclo da vacina, e contribuir para a erradicação e controle das doenças imunopreveníveis. Assim, serão realizados vídeos e materiais informativos para escolas, além de diversas capacitações para os farmacêuticos registrados no Conselho, disponíveis no site da autarquia. 

Informações sobre doenças e vacinas 

Sarampo

Uma pessoa infectada pode transmitir para 90% das pessoas não imunizadas que ela tiver contato! Vacinas: Tríplice Viral e Tetraviral 

Fonte: Blog da Saúde 

HPV 

O HPV está envolvido em quase 100% dos casos de câncer de colo do útero. Vacina: HPV Fonte: Blog da Saúde 

Influenza - H1N1/H3N2 

A vacinação em gestantes reduz 50% o risco de infecção respiratória aguda e reduz 40% o risco de hospitalização. Vacina: Influenza trivalente 

Fonte: Blog da Saúde 

Poliomelite 

Evita o contágio e a paralisia permanente em crianças (0,5% das infecções): 1 criança infectada pode levar, dentro de 10 anos, a 200.000 novos casos/ano no mundo! Vacina: Poliomielite 

Fonte: OPAS/WHO 

Coronavírus 

Os dados indicam que pelo menos 5 pessoas morrem a cada 200 casos confirmados. Vacinas: CoronaVac, Oxford/AstraZeneca, Sputnik, Cominarty, mRNA-1273, entre outras. Fonte: Ministério da Saúde 

Meningite e Pneumonia 

A vacina pneumocócica 10-valente (VPC10) previne cerca de 70% das doenças graves (pneumonia, meningite, otite) em crianças. Vacinas: Pneumocócica 10 valente, Pneumocócica 23 valente, Meningocócica. Fonte: SBIM 

Febre Amarela 

15% dos infectados desenvolvem forma mais grave da doença; entre 20% e 50% destes podem morrer. Vacina: Febre Amarela. Fonte: Blog da Saúde

Causas da não vacinação (Fonte: SES/RS) 

Pesquisa divulgada pela Secretaria Estadual de Saúde do RS em novembro de 2019 mostra que o descaso e a desinformação de pais ou responsáveis por crianças de até seis anos são as principais causas da não vacinação no Estado: 59% das pessoas manifestaram motivos pessoais para a não vacinação, como esquecimento, medo de efeitos colaterais e falta de tempo. 

Questões da saúde da criança, como contraindicação médica e alergia ao ovo, alcançaram 31% dos motivos citados. Problemas nas unidades básicas de saúde, como horário de atendimento, localização do posto ou falta de vacina, também foram citados por 30% das pessoas. 

Dos entrevistados, 96% das pessoas disseram acreditar na imunização e a consideram importante. Apenas 4% responderam não acreditar na eficácia das doses. A influência das notícias falsas também foi analisada e aproximadamente 31% disseram já ter lido ou ouvido informações antivacina na internet. Porém, mais de 84% desses afirmaram não ter acreditado nos relatos e notícias, mostrando confiança na vacinação. 

Tipos de vacinas em atraso: 

Em 90% dos casos, os entrevistados apontaram uma das cinco vacinas abaixo como em falta na caderneta das crianças (poderia ser respondida mais de uma vacina): - Gripe (influenza, 1 dose dos 6 meses a menores de 6 anos) – 38,1% 

- Febre amarela (aos 9 meses) – 18,5% 

- Varicela (4 anos) – 12,3% 

- Sarampo, caxumba, rubéola e varicela ou catapora (tetraviral aos 15 meses) – 11,2% - Sarampo, caxumba e rubéola (tríplice viral aos 12 meses) – 8,9%


Contatos da comunicação do CRF/RS: 

Diana: (51) 99402-3903 diana@crfrs.org.br 

Julian: (51) 99333-5490 imprensa@crfrs.org.br


Informações da notícia

Fonte: Conselho Regional de Farmácia do RS

Data de publicação: 06/05/2021

Créditos: Comunicação CRF/RS

Compartilhe!