O presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, concedeu entrevista na manhã desta sexta-feira (4/12) para o programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha.

O presidente da Famurs e prefeito de Taquari, Maneco Hassen, concedeu entrevista na manhã desta sexta-feira (4/12) para o programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha. Em conversa com os apresentadores Rosane de Oliveira e Daniel Scola, Maneco avaliou o impacto das eleições no aumento de casos de covid-19 no RS e quais providências estão sendo tomada pelas prefeituras para minimizar os impactos do novo coronavírus.

Com um aumento do número de ocupação de leitos clínicos de casos confirmados e aumento na ocupação de UTIs, Maneco declarou que os gestores estão preocupados com a elevação acelerada e desordenada da pandemia. Ele informou que todos os municípios gaúchos estão em pleno alerta e se esforçando para o cumprimento do novo decreto do governo estadual, que unifica as regras da bandeira vermelha. “Esse novo decreto tem  a preocupação de manter os principais setores econômicos em funcionamento, mas também com foco naquilo que, neste momento, é o grande foco de expansão do vírus, que são  aglomerações desnecessárias, principalmente nos fins de semana e à noite”, esclareceu, justificando que a medida tem o objetivo de conter um colapso na área da saúde. Maneco também pontuou que é preciso que todos cumpram o seu papel individual, obedecendo as normas de prevenção, para que não haja mais aumento de casos.

Sobre as eleições, o presidente da Famurs afirmou que as campanhas tiveram um grande impacto na elevação da pandemia no estado. “Não tenho dúvida que teve um papel importante sim. Não podemos tapar o sol com a peneira. Por isso a Famurs sempre disse que era impossível fazer campanha sem as pessoas terem contato. Na maioria dos municípios, a internet não chega, mas, mesmo na Capital, a gente viu que não havia como conter as pessoas e as candidaturas de sair às ruas e dialogar, visitar as casas, fazer reuniões etc.”.

No entanto, Maneco afirma que as campanhas eleitorais não são as únicas responsáveis pela atual situação no RS. Entre as principais causas, ele cita uma série de liberação nos regramentos, do cansaço das pessoas em oito meses de isolamento, o início do verão e dias mais longos e quentes, além da expectativa da vacina, fazendo com que as pessoas tenham a sensação de que o fim da pandemia está chegando. “Este conjunto de coisas faz com que todos nós, e eu me incluo junto, tenhamos relaxado nas medidas de prevenção. O momento agora é de retomar a consciência e as medidas que são necessárias. E coletivamente trabalharmos muito para que os casos possam ser reduzidos”, alertou.

Maneco declarou que com este novo decreto, os municípios irão precisar da ajuda do governo do Estado, no que se refere a fiscalização das aglomerações, com ações preventivas junto com a Brigada Militar, tendo em vista que os executivos municipais não têm fiscais treinados para este tipo de situação.

Confira na íntegra a entrevista do presidente da Famurs, Maneco Hassen:

Informações da notícia

Data de publicação: 04/12/2020

Compartilhe!